O Facebook e o Desafio dos 10 Anos: um belo banco de dados para o reconhecimento facial?

Blog Justweb – Fevereiro 2019

Nos últimos dias rolou uma comoção nas redes sociais, principalmente Facebook e Instagram, devido ao #10yearschallenge (ou Desafio dos 10 anos, em português), um desafio em que os usuários deveriam publicar duas fotos, uma atual e outra de 10 anos atrás, para mostrar a sua transformação com o tempo. Com certeza você viu muitos, né? Ou até mesmo entrou na onda, certo? Foram poucas as pessoas que não entraram na brincadeira que se espalhou entre brasileiros e celebridades do mundo todo.

À primeira vista, apenas uma brincadeira inofensiva, mas ao que tudo indica isso não passou de uma estratégia do gigante Facebook para criar um banco de dados e aprimorar sua tecnologia de reconhecimento facial. Com tanta gente publicando fotos para comparar como eram em 2009 e como estão atualmente, em 2019, logo surgiu a dúvida: Quem ou qual empresa criou a brincadeira? Então surgiram teorias de que o Facebook estava por trás de tudo, com o intuito de abastecer seu sistema de reconhecimento facial.

Com uma foto antiga e uma recente, os sistemas da rede social poderiam entender o padrão de envelhecimento de seus usuários. Além disso, ao usar a hashtag que dá nome ao desafio, as pessoas ajudam a empresa a estruturar dados – em vez de buscar essas imagens entre muitas outras publicadas todos os dias, como agulhas num palheiro.

O Facebook, claro, negou que se beneficie de alguma forma com a brincadeira. A companhia de Mark Zuckerberg acrescentou ainda que não tem nenhum envolvimento com o surgimento do desafio e que foram os próprios usuários que tiveram a ideia, que se espalhou de forma espontânea – em outras palavras, é um viral da internet.

A verdade é que, criado ou não pelo Facebook, o desafio pode de fato, contribuir com a tecnologia da empresa. Um sistema de inteligência artificial de reconhecimento de imagem precisa ter muitas fotos para se tornar preciso. Quanto mais exemplos, melhor ele será – e hoje, os mais de 2,27 bilhões de usuários do Facebook, bem como o 1 bilhão que está no Instagram, fornecem diariamente fotos e vídeos para a empresa.

Reconhecimento Facial no Facebook

O Facebook aprimorou seu sistema usado para reconhecer rostos de usuários em fevereiro do ano passado. Ele passou a vasculhar imagens na rede social em busca de fotos publicadas que exibissem os usuários. A partir daí, perguntava se os indivíduos retratados queriam ser marcados. Ter acesso a essas ferramentas, no entanto, depende de uma autorização do usuário. O controle da ferramenta de reconhecimento facial pode ser ativado ou desativado a qualquer momento. Para isso, basta ir ao seu perfil de usuário do Facebook, selecionar a opção Configurações e clicar Reconhecimento facial e em editar.

A empresa justifica o uso de sistemas de reconhecimento facial em sua plataforma para ajudar a moderação de conteúdo – com eles, seria possível evitar que desconhecidos usassem as fotos de alguém sem seu conhecimento e, ainda, identificar fotos de pornografia, violência explícita, discurso de ódio ou que violem qualquer regra de uso do serviço.

No entanto, também são dados que podem ser utilizados pela empresa e seus eventuais parceiros para o futuro. É um conhecimento que pode ser aplicado a uma série de situações, no futuro, como alterações em planos de saúde ou propagandas personalizadas baseadas em envelhecimento. Lembre-se: é preciso estar sempre atento ao que se publica nas redes sociais.